Viagens + conscientes | Evitando o desperdício

Quando pensamos em viagens muitas coisas vêm em nossas mentes, como descanso e passeios. Afinal, é um momento alegre, onde os dias são mais bonitos, onde as pessoas se sentem mais festivas e felizes.

viagens de praia com o mar azul e coqueiro e no final da tarde com uma escuna no mar
Praia da Garça Torta, Maceió/AL (esquerda) e Praia do Forte, Mata de São João/BA (direita).

E nesse momento de pandemia muita gente deixou de viajar. Nós sabemos como essa pausa na nossa rotina afetou o nosso psicológico. Por isso, quero aproveitar esse momento para falar um pouco sobre a nossa relação de consumo e desperdício nas viagens.

Ninguém imagina que as viagens proporcionam muito desperdício. Dessa forma, vemos desperdício de tudo…. comida, energia elétrica, água e dinheiro! Esse sentimento de festividade nos faz pensar ilusoriamente que neste período tudo é permitido, que as consequências ficam para serem pensadas e sanadas pelos donos do hotel ou pela prefeitura da cidade. E quem paga a conta deste pensamento ilusório é você e o meio ambiente!

Minhas viagens da pandemia: uma reflexão sobre o desperdício

Durante a pandemia fiz duas viagens rápidas para cidades próximas da minha para desestressar um pouco. Às vezes converso com os funcionários do hotel e pego dicas de limpeza, de rotina e também sobre o comportamento dos hóspedes.

Priscila numa viagem ao lado da camareira do resort Tivoli na Bahia
Conversando com a camareira do Tivoli Ecoresort (Praia do Forte/ BA).

Como resultado, verifiquei uma unanimidade nas respostas dos funcionários dos dois hotéis que visitei: Existe muito desperdício de alimento, água e energia pelos hóspedes!



Primeiramente, tem-se a falsa impressão que por estar pagando por um serviço, pode-se deixar as luzes acesas, o ar condicionado ou ventilador ligados mesmo quando não se está no quarto. Tomar banho sem se preocupar com o gasto de água e utilizar uma toalha nova todos os dias. Só fico imaginando se essas pessoas fazem isso em casa.

Além disso, é comum desperdiçar comida no café da manhã, no almoço e no jantar no hotel. Sempre se acha que durante uma viagem pode-se cometer o pecado da gula, e colocar no prato mais do que necessário. Mas com isso está se jogando no lixo diversos alimentos que para seu cultivo e fabricação foram utilizados água, energia e recursos minerais.

Em 2020 fiz um passeio aqui em Sergipe e fiquei chocada com o tanto de comida que as pessoas deixavam no prato com a justificativa de que era buffet livre. Por isso, conversei com uma funcionária do restaurante e ela me mostrou a quantidade de comida que era desperdiçada em 2 horas. Veja a imagem abaixo. Isso realmente é preciso?

tonel azul com restos de comida desperdiçados no almoço de uma viagem para o cânion do São Francisco
Restos de comida deixados nos pratos dos clientes no intervalo de duas horas no restaurante Karranca’s no Cânion do rio São Francisco (divisa AL/ SE).

Um exemplo simplificado da cadeia do desperdício:

Um simples milho verde que foi servido no almoço, ao ser jogado fora leva consigo:

  • A terra, a água, o fertilizante e a energia (do agricultor e da máquina) para o cultivo;
  • O metal (ou vidro), o papel, a água e a energia (do funcionário e da fábrica) para fazer o recipiente do milho.

Isso sem contar com os outros produtos envolvidos, o transporte feito da fazenda até a fábrica e desta até o supermercado. Ou seja, não se analisa o Ciclo de Vida do produto.

comida mineira com pedaços de milho verde assado.
Fonte imagem: https://panoramadeviagem.com.br/restaurantes-de-comida-mineira-belo-horizonte/

Segundo dados mais recentes da ONU, 17% de todos os alimentos disponíveis para consumo no mundo são desperdiçados. No relatório sobre o Índice de Desperdício de Alimentos 2021/ UNEP (em inglês) que trata do desperdício de alimentos dos países em cada continente, o Brasil aparece com uma taxa de desperdício de 60 kg/habitante por ano.

Infelizmente, muitas pessoas se esquecem de todos os hábitos cotidianos quando estão em outra realidade. Mas não importa onde se está, as ações impactam o meio ambiente. Nossos recursos naturais são finitos e precisamos poupá-los para que não faltem no futuro.

Consumismo em viagens

Juntamente com o desperdício, outra questão também comum nas viagens é o consumo sem propósito (consumismo). Muitas pessoas ao invés de aproveitarem esse momento para enriquecer culturalmente, conhecer novos lugares e paisagens, estão mais preocupadas com as compras que vão fazer. Dessa forma, deixam de conhecer algumas atrações turísticas para ir no centro comercial da cidade.

Priscila e amigos sentados no rodapé da loja com uma mala comprada em uma das viagens à Londres.
Indo comprar uma mala com os amigos após a mesma quebrar durante a viagem. Londres – 2011.

Nada de errado em comprar, desde que não seja no impulso. Com isso vamos refletir… o que é mais duradouro: a lembrança de um passeio agradável ou um monte de compras? Momentos são eternos e roupas, sapatos e acessórios são úteis muitas vezes só até a próxima estação. Portanto, um desperdício de materiais e dinheiro!

Se você conseguir se preocupar menos com o consumo em uma viagem, pode desfrutar mais do lugar, da cultura, da paisagem, e com isso gastar menos.  

Tudo que compramos é feito com materiais que vêm da natureza e voltam para ela em forma de lixo. O consumismo gera muitos impactos na natureza. Conforme notícias, em cerca de dez anos, o brasileiro aumentou 1,6% da sua quantidade de lixo gerado (hoje está em 380 kg/anual – 1,04kg/dia) e isso tem agravado os problema ambientais nas cidades.

Viajar não é sair do planeta Terra

O maior problema que vejo em relação ao desperdício nas viagens está na falta de percepção das pessoas quanto ao seu impacto, porque somente vemos o produto final e por isso o pensamento fica fragmentado, não englobando a real dimensão do todo (como o produto foi feito, quais materiais foram utilizados e qual impacto gerou). Se ao comprar um produto fosse relatado toda a sua trajetória até chegar na prateleira da loja, talvez se pensaria duas vezes antes de comprar!

Então vamos pensar um pouco mais em nossas ações. A pandemia nos mostrou que nossas ações têm consequências e por isso precisamos cuidar melhor das pessoas e do planeta.

Finalizo com a seguinte reflexão:

Será que vale desperdiçar no presente para comprometer o futuro? Será que estamos mais preocupados em preencher nossa vida com bens descartáveis, deixando de lado o bem mais precioso e eterno que é a educação, materializada na cultura do local que visitamos?

Gostou da dica? Então compartilhe com seus amigos e não esquece de deixar o seu comentário :)

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Priscila Randow

Priscila Randow

Sou uma capixaba-sergipana Bióloga, Mestre e Doutoranda em Sustentabilidade, Personal Organizer e idealizadora do Blog Dica Organizada. Quando percebi que a natureza é perfeita por ser organizada encontrei meu nicho de atuação. Siga-me do Instagram: @dicaorganizada

Deixe seu comentário

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ei! Quer emagrecer?
Comece pela geladeira!

Preparei um infográfico com dicas exclusivas de como organizar sua geladeira. Baixe agora. É gratuito!